Skip to content

LHC, a Grande Máquina funciona!

31/03/2010
tags:

LHC

Finalmente a Grande Máquina funciona! Após várias tentativas, alguns fracassos, e muitos milhões gastos, cientistas responsáveis pelo maior colisor de partículas do mundo (o LHC) informaram ontem, terça-feira dia 30, que conseguiram desencadear choques de prótons geradores de uma energia recorde, a uma velocidade próxima à da luz, com o objectivo de recriar condições similares às do Big Bang, a grande explosão que deu origem ao universo.

O início da experiência, na qual o acelerador ia ser testado a 7 teraelectrão-volt, estava previsto para as 08h00 de ontem, mas o acelerador de partículas do CERN – Laboratório Europeu de Física de Partículas registou um problema ao arrancar para a nova experiência. O feixe já foi lançado duas vezes mas falhou devido a falhas no sistema de detectação.

Os investigadores detectaram o problema técnico que, segundo Gaspar Barreira, do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental, se tratou de ‘um problema de protecção e não da máquina’.

Resolvido o contratempo os cientistas iniciaram, finalmente, às 12h00 (hora de Lisboa) as colisões entre feixes de protões, as primeiras criadas pelo homem a uma energia correspondente a 280 mil milhões de baterias de carro.  Até agora, esta é a maior concentração de energia jamais alcançada pelo homem, mas ainda é metade da potencialidade final da máquina.

A colisão entre dois feixes de protões circula nos dois sentidos e permite que estes ao embater libertem partículas mais pequenas, muitas das quais os cientistas apenas suspeitam que existem, de acordo com informações da agência Lusa.

A colisão dos feixes de protões à velocidade da luz é feito no interior do Large Hadron Collider (LHC) – um anel de 27 quilómetros de circunferência refrigerado 1,9 graus Kelvin (271,4 graus centígrados negativos), construído a 100 metros de profundidade, na fronteira franco-suíça, perto de Genebra, e começou a circular partículas em novembro passado, depois de ser fechado em setembro de 2008 por causa de superaquecimento.

O LHC já tinha atingido um recorde de energia a 19 de Março, quando chegou aos 7 teraelectrão-volt, ou TeV (3,5 TeV por cada feixe de protões).  Uma vez estabelecidas as colisões em alta velocidade, o plano é continuar operando continuamente por 18 a 24 meses, com uma curta pausa técnica no final de 2010, disse o CERN.

De acordo com representantes do conselho, é possível que seja detectada matéria escura, que os cientistas acreditam que compõe 25% do universo mas cuja existência nunca foi comprovada.

Astrónomos e físicos dizem que apenas 5% do universo é conhecido hoje e que o restante invisível consiste de matéria escura e energia escura, que compõem respectivamente 25% e 70% do universo.

“Se conseguirmos detectar e entender a matéria escura, o nosso conhecimento vai se ampliar para abranger 30% do universo, o que seria um avanço enorme”.

(via)

 

 

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: