Skip to content

A Real Cascata (I)

28/02/2010

Quinta Real de Caxias

A Quinta Real de Caxias constitui um dos mais relevantes elementos do património do concelho de Oeiras, nos arredores de Lisboa.

Localizada numa zona privilegiada, junto ao Tejo e à beira da antiga estrada real, deve a sua construção ao infante D.Francisco (1691-1742), filho de D.Pedro II e irmão de D.João V, e a sua edificação estendeu-se desde meados do séc.XVIII até aos inícios de XIX, concluído apenas pelo futuro rei D. Pedro V, que aí se deslocava com alguma assiduidade.

Mais tarde (1908), D. Manuel dividiu a propriedade, transferindo a Quinta para a posse do Reformatório Central de Lisboa Padre António Oliveira, estabelecido no convento da Cartuxa. A adaptação às suas novas funções obrigou a uma significativa modificação de toda esta área, nomeadamente ao nível das alamedas, da sua composição geométrica, dos pomares, dos tanques, e mesmo do recinto para o Jogo da Péla. (IPPAR)
 
O espaço destaca-se pelos jardins geométricos, de influência francesa (os denominados jardins à Le Nôtre), onde a imponente Cascata introduz o gosto pela imitação da natureza, próprio da segunda metade de Setecentos. De facto, a família real e a corte preferiram o espaço ao ar livre, de forte efeito cenográfico e de grande impacto visual, que foi palco de jogos, teatros e bailados, relegando a Casa para segundo plano, que raramente serviu de residência prolongada aos menbros da família real, o que explica a sua simplicidade. 
  
 
 
 [rockyou id=156740793&w=426&h=320]

(diaporama elaborado com fotos minhas e algumas de LuPan, acessíveis no Flickr )

 

 

Planta da Real Quinta de Caxias, 1844

 O jardim articulava áreas de cultivo (hortas e pomares) e de recreio através de uma malha geométrica constituída por eixos simétricos, rodeados de buxos, onde se salientam duas alamedas principais – a Rua da Imperatriz e a Rua de Hércules. Esta, ladeada por duas palmeiras de grandes dimensões, encaminha-se directamente para a grande Cascata e para o lago de Diana, que domina todo o espaço. De cada lado, encontra-se um pavilhão octogonal, em tons de salmão – onde hoje está instalada a sala de leitura da Biblioteca, funcionava originalmente como “casa do poço” e, do lado oposto, a “casa da fruta”. No jardim de buxos  situam-se seis pequenos lagos e estatuetas, dos quais quatro apresentam no seu centro  grupos escultóricos alusivos às Quatro Estações através da figuração dos respectivos três Signos do Zodíaco.

 

Outono (Balança/Escorpião/Sagitário)

 

Primavera (Carneiro/Touro/Gémeos)

Inverno (Capricórnio/Aquário/Peixes)

Quinta Real de Caxias 116 por LuPan59.

Verão (Caranguejo/Leão/Virgem)

Estas esculturas, tal como todo o conjunto disposto na Cascata, são da autoria de Machado de Castro. Actualmente as existentes são cópias das originais em terracota, que têm sido alvo de um longo processo de restauro e consolidação. Esta fase do restauro estará concluída com a reposição integral de todo o conjunto escultórico, incluindo a cena mitológica do Banho de Diana que adorna a fabulosa Cascata, e que irei abordar brevemente.

 

4 comentários leave one →
  1. 01/03/2010 17:36

    Marialynce, que bom que você está de volta e com este parque maravilhoso. Sempre gostei muito destes tipo de jardins “à la française”, por aqui alguns impressionantes estão no vale do rio Loire. As esculturas também são de uma grande riqueza de detalhes, e como sempre você nos traz aqui, elas formam um ciclo, ou melhor dois, as estações do ano e os signos do zodíaco.
    Um grande beijo.

    • 03/03/2010 23:45

      Viva Maria Augusta!
      realmente tenho andado afastada por mil e uma razões, para além de que às vezes dá vontade de fazer umas férias aqui da blogosfera e voltar ao mundo real…
      Agora vou tentar ser regular e voltar a visitar os amigos!

      Este jardim é mesmo muito bonito e será mais quando estiver totalmente recuperado. Visitei-o recentemente pois, embora já soubesse da sua existência, anteriormente não estava aberto ao público.
      Brevemente vou continuar a falar sobre as restantes esculturas e os seus significados, depois de verificar algumas informações e hipóteses de interpretação.
      Um grande beijo também.

  2. Nuno Ponces de Carvalho permalink
    25/02/2011 14:46

    Viva,
    Desde já muitos parabéns e obrigado pela informação que dispôs a cerca deste parque.
    Sou residente em Caxias e vivo mesmo ao pé dele. Também adoro este parque não só pela sua beleza mas também pela paz que, pelo menos a mim, transmite.
    Dado que conseguiu arranjar tanta informação a cerca dele queria perguntar-lhe se por acaso já existe alguma previsão de quando serão repostas todas as esculturas?
    Muito obrigado e, se for caso disso, continuação de um óptimo trabalho.

    • 27/02/2011 19:43

      Antes de mais obrigada pelo seu interesse e comentário.
      Embora agora resida em Lisboa, vivi bastantes anos na Linha onde aliás tenho família e amigos, pelo que conheço bem este jardim, que, felizmente, voltou a ter algum do brilho que outrora terá tido.
      Mas sou apenas uma curiosa pois não tenho qualquer ligação aos trabalhos de restauro que ali têm vindo a ser desenvolvidos. Procurei informar-me mínimamente mas não consegui ainda aceder a algumas publicações da Câmara que poderão esclarecer o futuro destes belos jardins.
      Entretanto depois deste post publiquei um segundo e haverá ainda um terceiro dedicado ao Lago da Cascata e outros pormenores. É só ter disponibilidade!…
      Cumprimentos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: