Skip to content

Lugares Mágicos : Mosteiro de Pitões das Júnias

02/10/2008

[rockyou id=123819373&w=426&h=319]

Portugal tem, realmente, muitos “lugares mágicos”, uma designação reveladora que o historiador de arte Paulo Pereira adoptou, para uma colecção de quinze livros sobre o tema, publicados em 2006. Para o investigador  “Existem lugares, monumentos, paisagens que se refugiam na nossa memória para de lá nunca saírem e que inevitavelmente revisitamos como se eles procedessem de um património próprio e familiar, convocando ao mesmo tempo toda a estranheza do mundo.”

Foi exactamente a partir do vol. 10 dessa colecção que escrevi este post, sobre este fascinante mosteiro que, finalmente, visitei o verão passado.

Situado no extremo norte do país, na região da Peneda-Gerês, este pequeno mosteiro foi fundado pelos monges Beneditinos e depois concedido aos Cisterciences. Foi edificado numa zona isolada, integrando-se e tomando a própria essência da paisagem, agreste e simultâneamente bucólica, como sua. Mosteiro e natureza envolvente são um só, partilharam a escassez de meios e o que a terra ofereceu. E é essa qualidade que confere uma sensação única a quem tem oportunidade de descobrir este lugar. 

Por outro lado, mas de algum modo confirmando o carácter “mágico” deste lugar, a fundação do mosteiro tem por trás uma lenda que nos revela o seu valor simbólico no imaginário cristão medieval.

Resumidamente, e adaptando o relato de Paulo Pereira, “houve há muito tempo um regimento de soldados que não gostava da religião católica e muito menos ainda dos santos. Mas no meio deles havia um que era grande devoto da imagem da Virgem, e, sabendo que os outros planeavam queimá-la, fugiu com ela uma noite, e foi ter até Pitões  ao lugar das Marinhas.

Existia aí um grande carvalho onde escondeu a imagem, sobre três galhos, e assim ficou.

Abundavam em Pitões animais silvestres: o porco-bravo e o corço. Um dia um fidalgo espanhol perseguiu numa caça com os seus dois cães, um porco-bravo. O animal aproximou-se do enorme carvalho, que tinha crescido muito mais que as outras árvores. E de repente, os cães param, como por encanto, e esgadanharam a casca do carvalho com grandes latidos. O caçador, perplexo, olhava para o carvalho. E nisto, descobre a imagem da Virgem coroada de luz. O milagre tocou-lhe a alma pelo que mandou edificar no local uma capela, em cujo altar-mor colocou a Santa.

O tempo passou e com ele os perigos da guerra e da fúria anti-religiosa.

O tal soldado, chamado João, veio saber novas da sua Senhora, e foi ele e mais o fidalgo e a Igreja que mandaram construir o mosteiro de Santa Maria das Júnias.

Conta igualmente a lenda que durante a edificação, surgiram duas fontes, uma de azeite e outra de vinho.

João acolheu-se ao mosteiro com outros e aí formaram comunidade religiosa. Deu ao convento o nome de Santa Maria de Júnias.”

 Segundo o historiador, esta lenda parece revelar a “sobrevivência de ritos pagãos nesta região incólume. É provável mesmo que se refira, em rigor, a ritos druídicos, tal a soma de simbologia de nítido ascendente proto-histórico que esta lenda reúne:

a) o enorme carvalho de três galhos, árvore sagrada para os Indo-Europeus, na qual foi escondida a imagem da Virgem para depois se revelar;

b) a existência de porcos-selvagens, realidade arcaica das religiões pagãs lusitanas, calaicas e dos Vaceus, uma vez que o porco-montês representa o animal totémico da dignidade ou casta sacerdotal, para o que basta lembrarmo-nos das estátuas em pedra ou berrões, que foram descobertos em maior abundância na zona transmontana, ou das duas estátuas que ladeiam a entrada no estranho recinto murado a sul do mosteiro, por sua vez relacionados com a casta guerreira representada pelo urso (…) e que reaparece no nome da abadia à qual Pitões das Júnias pertencia, Santa Maria da Osseira (ou seja, Santa Maria da Ursa);

c) a cena de caça, como alegoria à purificação espiritual através da domesticação dos instintos;

d) o fenómeno luminoso que acompanha a revelação da imagem de Santa Maria, sinal de uma escolha – juntamente com a cena de caça – de um lugar propostado para a fundação do cenóbio, eco de ritos geomânticos antiquíssimos;

(…) Ainda o nome do lugar, Júnias, parece evocar Juno, ou mais provávelmente, Janus, e portanto um culto pagão ligado aos solstícios do Inverno e do Verão (…). O mosteiro, na realidade, mais não fez senão cristianizar um local já sagrado desde há muito (…). “

Outros lugares mágicos serão dados a descobrir aqui no Polia’s.

2 comentários leave one →
  1. 03/10/2008 23:14

    É um lugar magico mesmo, pelo que você nos conta neste post, tanto pela comunhão com a natureza, quanto pela bela lenda envolvendo o esconderijo da imagem, além do paralelismo com os ritos sagrados pagãos. Adorei conhecê-lo, fico contente pois aqui na blogosfera estou descobrindo facetas de Portugal que não nos mostram nos circuitos turísticos.
    Beijos.

  2. 04/10/2008 23:57

    Ainda bem que gostou, é mesmo um sítio lindo. Realmente existem lugares surpreendentes em Portugal, mesmo desconhecidos para muitos de nós que cá vivemos!
    Beijinhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: